Reedição para Novas cartas portuguesas

Por Eduardo Pitta


Em Maio de 1971, Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa pegaram na tradução portuguesa, feita por Eugénio de Andrade, de Lettres Portugaises (1669), compilação de cinco cartas de amor endereçadas por Mariana Alcoforado a um oficial francês, com o intuito de "desmontar e re-montar" os limites da linguagem.

Partiam da compilação de Claude Barbin das cinco cartas atribuídas ora à freira de Beja, ora a Gabriel-Joseph de Guilleragues. Dezenas de traduções e reedições em várias línguas, desde 1669, eram motivo bastante. Novas Cartas Portuguesas publicou-se em Abril de 1972, sob chancela dos Estúdios Cor, editora dirigida por Natália Correia.

O livro aguentou três dias em livraria. A PIDE recolheu e destruiu todos os exemplares disponíveis. Marcelo Caetano mandou instaurar processo judicial às três autoras, que foram levadas a tribunal. Motivo? O "conteúdo insanavelmente pornográfico e atentatório da moral pública" da obra. Interrogadas na polícia política, enxovalhadas em público, as três Marias foram traduzidas dos dois lados do Atlântico, tornando-se alvo da atenção da imprensa internacional: do New York Times ao Nouvel Observateur, ninguém se calou. Simone de Beauvoir, Stephen Spender, Marguerite Duras e Doris Lessing foram algumas das personalidades que protestaram com ênfase. De certo modo, foi a primeira causa feminista global.

Recentemente, chegou às livrarias a edição crítica da obra, organizada e anotada por Ana Luísa Amaral, poeta e professora da Faculdade de Letras do Porto. Parece-me pleonástico sublinhar a oportunidade desta edição, pautada por um nível de exigência exemplar. Recupera-se o prefácio que Maria de Lourdes Pintasilgo escreveu para a edição Moraes; corrigem-se imprecisões e erros factuais constantes de algumas reedições; e, sobretudo, enquadra-se o texto no seu período histórico. Cerca de cem páginas de notas intertextuais dão a medida do rigor hermenêutico. Imprescindível.



* Publicado inicialmente no Blog Da Literatura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão