João Almino



Não é tanto de praxe hoje, mas houve um tempo em que, para tornar-se escritor reconhecido, obrigatoriamente, o sujeito deveria largar sua terra de origem e descambar para o eixo Rio de Janeiro-São Paulo à cata de um lugar ao sol. Todo escritor era então desgarrado da sua terra. É verdade também que as razões para esse virar costas para a terra de origem são resquícios de um modo brasileiro e sobretudo potiguar – porque é ao estado do Rio Grande do Norte o lugar de imigração que eu estou aqui tomando em questão.

Conheço muito pouco de João Almino para dizer se ele foi um desses obrigados a desgarra-se para construir sua carreira literária. Pode ter sido, mas também sabemos, pelas recolhas bibliográficas que circulam na internet que escritor natural de Mossoró fez uma carreira promissora e à parte da carreira literária também toda ela fora de sua terra natal. Também não quero aqui dizer que todo escritor tenha de ser vegetal, nascer, criar, procriar e morrer na terra de nascença. Hoje, mais que em outros tempos, o tempo é trânsito. E todos, escritores ou não, se constituem naqueles mesmos nômades da Idade Primeira da humanidade.

Fato é que João Almino aparece nos jornais do estado agora em agosto devido ter ganho um dos importantes prêmios literários – não que o escritor não tenha ganho outros prêmios, sabemos que seu currículo é também povoado de premiações importantes, mas este é um dos mais importante: o Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura 2011 de melhor romance publicado em língua portuguesa os últimos dois anos. E isso desbancando alguns nomes já carimbados da cena dos grandes prêmios.

João Almino é além de escritor, diplomata e tem uma carreira acadêmica ilustre. Cursou seu doutorado em Paris, tendo tido como orientador o filósofo Claude Lefort. Foi professor na Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), na Universidade de Brasíla, no Instituto Rio Branco, Berkeley, Stanford e Universidade de Chicago. Nasceu em 1950, em Mossoró.

Sua obra transita – como se nota pelas duas carreiras principais que segue – em duas vertentes: a da prosa ficcional e da prosa não-ficcional. Na primeira publicou ainda em 1987, Ideias para onde passar o fim do mundo (indicado para o Prêmio Jabuti, ganhador de Prêmio do Instituto Nacional do Livro e do Prêmio Candango de Literatura); sete anos depois, Samba-enredo (Prêmio Casa de las Américas); em 2001, As cinco estações do amor; em 2008, O livro das emoções (finalista do 7º Prêmio Portugal Telecom de Literatura e finalista do 6º Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura) e em 2010, Cidade Livre (o ganhador de 2011 do Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura; o mesmo romance é finalista também no Prêmio Portugal Telecom de Literatura desse ano).

Já na segunda vertente, a da prosa não-ficcional, João Almino tem várias publicações das quais destaco Brasil-EUA, balanço poético, de 1997; Literatura brasileira e portuguesa ano 2000 – organizado em parceria com Arnaldo Saraiva; e O diabrete angélico e o pavão: enredo e amor possíveis em Brás Cubas, de 2009.

O escritor mantém uma página onde é possível ler te um tudo sobre a sua carreira além de ver alguns vídeos seus e fragmentos do livro premiado em agosto, Cidade Livre



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea