Saramago duas vezes mais para o cinema


Jake Gyllenhaal viverá a personagem principal de nova adaptação de uma obra de Saramago para o cinema


Saramago está na moda para as telas da sétima arte. É o que parece. A primeira adaptação de uma obra do escritor foi em 2002. A jangada de pedra à época recebeu a montagem de um cineasta alemão. Saramago não teria gostado do resultado final e, desde então, os diretores tiveram que amargurar um longo período de intriga do escritor para com as adaptações de seus textos. Até que em 2008, Fernando Meirelles consegue furar o cerco e adapta Ensaio sobre a cegueira. E Saramago gostou do que viu. Andou circulando até, na web, um vídeo dando conta das lágrimas do Prêmio Nobel de Literatura diante do trabalho final de Meirelles (ver o final desta postagem). 

A maior flor do mundo, Embargo e... agora se anuncia, depois de O evangelho segundo Jesus Cristo*, mais uma adaptação: a de O homem duplicado. O romance com ares de ficção científica - só ares porque não há nada nele que assim o classifique - virá para as telas pelas mãos do cineasta canadense Denis Villeneuve. O filme será a estreia do diretor em Hollywood. Resta ver o que farão do livro de José Saramago. 

O ator Jake Gyllenhaal (Príncipe da Pérsia e Contra o tempo) viverá Tertuliano Máximo Afonso, o professor de história que descobre, ao assistir a um filme, que tem um sósia, mais que isso, um duplicado. Jake encarnará, logo, não apenas Tertuliano, mas também seu arquirrival Daniel Santa Clara. É aguardar.

Notas

* A notícia de adaptação deste romance foi confirmada em vários jornais a partir de declarações divulgadas pela Fundação José Saramago. O responsável pelo projeto é o diretor do documentário José e Pilar, Miguel Gonçalves Mendes. 

Ligações a esta post
>>> É possível ver o vídeo referido acima por aqui
>>> Pedro Fernandes escreveu sobre O embargo, filme de António Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #571

Boletim Letras 360º #566

A criação do mundo segundo os maias

Boletim Letras 360º #570

Pureza, de Garth Greenwell