Pulp fiction - tempo de violência, de Quentin Tarantino




O liquidificar Tarantino mistura influências e humor negro para compor obra que gerou várias imitações

Grande sensação da indústria norte-americana do fim do século 20, Quentin Tarantino sempre chamou mais atenção pelo que representa do que pelo que é. Afinal, não se trata de nenhum gênio, e a idéia é exatamente essa. Ele é apenas um ex-atendente de videolocadora que resolveu fazer filmes, sem qualquer preparo técnico ou passagem por universidades de cinema, mas com muita paixão e um conhecimento enciclopédico de dados e informações sobre os clássicos do passado. Pegue esse background e jogue em um liquidificador com algumas de suas fixações pessoais e processe: quadrinhos, videogames, seriados de televisão, filmes obscuros de ação e orientais de kung-fu, westerns, revistas baratas de histórias policiais e referências à cultura pop.

Graças a esse espírito diletante e à variedade de influências, Tarantino conseguiu a façanha de produzir uma das obras mais cultuadas e influentes dos últimos anos. De tanto misturar ingredientes distintos, o resultado acaba sendo original. Pulp fiction - tempo de violência é seu trabalho mais conhecido, lançado dois anos depois da promissora estréia com Cães de aluguel (1992). Logo saltam aos olhos o roteiro e a edição, ambos não-lineares, uma estrutura de cenas que se repetem a Rashomon (1950), de Akira Korosawa, e O grande golpe (1956), de Stanley Kubrik.

O enredo é composto de várias tramas paralelas: dois matadores (John Travolta, num papel que ressucitou sua carreira, e Samuel L. Jackson) cobram dívidas para um mafioso (e um deles se envolve com a esposa viciada do chefe, Uma Thurman); um ex-boxeador foge do compromisso de perder uma luta; dois assaltantes invdem um pequeno café (Tim Roth e Amanda Plummer). Preste atenção na maneira inteligente com que Tarantino cruza as histórias. E nos diálogos ágeis e surreais, como a conversa entre Travolta e Jackson, que começa com McDonald's e termina em massagem no pé.

Pulp fiction gerou uma infinidade de imitadores, nenhum à altura do original. Foi indicado a sete Oscar e ganhou apenas um, de Roteiro Original. Também saiu premiado com a Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes.

* Revista Bravo!, 2007, p.86

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath