Boletim Letras 360º #336


Bem-vindo leitora e leitor do Letras in.verso e re.verso! Esta postagem reúne todas as informações de interesse de nossa linha editorial que foram apresentadas durante a semana em nossa página no Facebook. A ideia para o Boletim Letras 360º que chega à sua semana n.326 nasceu quando aquela página começou a limitar a quantidade de acessos das publicações aí apresentadas. O registro no blog se mostra como uma garantia de acesso aos leitores que perderam a notícia divulgada. Boa leitura!

As livrarias brasileiras recebem nova edição de um dos clássicos da poesia moderna: As flores do mal, de Charles Baudelaire. 


Segunda-feira, 12 de agosto

Depois da reedição de A sucessora, novo título de Carolina Nabuco volta às livrarias pela Editora Instante.

Em Chama e cinzas, Carolina Nabuco mais uma vez faz um retrato da posição da mulher burguesa, agora no final da primeira metade do século XX, apresentando os valores e os tabus que orientavam o lugar social da mulher, mas trazendo também uma nova voz feminina que parece emergir desse contexto. Há, com isso, um distanciamento significativo de A sucessora, seu romance anterior, uma vez que naquela obra a protagonista Marina teme não ser a mulher ideal, enquanto Nica, a nova protagonista, deseja compreender por que tem sido essa mulher. O livro conta a história de Nica Galhardo, a mais despachada das quatro filhas de Álvaro, viúvo falido, com um fraco para jogos de azar, que organiza noites de carteado em seu casarão na Praia do Flamengo, no Rio de Janeiro. Os eventos são disputadíssimos e frequentados por personalidades da sociedade carioca dos anos 1940, como ministros de Estado e o poderoso banqueiro Nestor Rabelo, o amigo que de fato sustenta a casa. O patriarca da família mantém um diálogo aberto com as jovens, que não o chamam de pai, mas de Álvaro, algo incomum naqueles tempos. Após uma profunda decepção amorosa, Nica, em atitude bastante ousada para uma jovem da época, decide casar-se com Rabelo, o homem que ela tanto admira. Mas um casamento bem-sucedido bastará para fazê-la sentir-se completa? Publicado originalmente em 1947, treze anos após o sucesso de A sucessora, Chama e cinzas recebeu o Prêmio de Romance da Academia Brasileira de Letras e anos depois inspirou a telenovela Bambolê, exibida pela Rede Globo entre 1987 e 1988.

Terça-feira, 13 de agosto

Nova edição de Absalão, Absalão!, de William Fualkner.

Um Sul de túmulos e fantasmas, marcado pela Guerra Civil e pela segregação racial, num dos romances mais sombrios e violentos da literatura americana. Numa narrativa composta de fragmentos delirantes de passado, o prêmio Nobel de literatura de 1949 William Faulkner conta a história da ascensão e queda do self-made man Thomas Sutpen que, vindo da miséria das montanhas do estado da Virgínia, torna-se o maior plantador de algodão do condado fictício de Yoknapatawpha. Publicado em 1936, Absalão, Absalão! revisita, através do apuro da técnica modernista, temas comumente identificados a certo gótico sulista, colocando assim em julgamento o estatuto do romance como gênero e construindo uma das mais brutais jornadas ao coração alucinado do século XX. A tradução de Celso Mauro Paciornik e Julia Romeu publicada pela extinta Cosac Naify sai pela Companhia das Letras.

O primeiro volume da edição da obra completa de Rodrigo de Souza Leão.

Em junho de 2019 ficamos sabendo que o Selo Demônio Negro cuidará de reeditar a obra completa de Rodrigo de Souza Leão. A notícia é simbólica: neste passam-se uma década da morte do escritor. Organizada por Ramon Nunes de Mello, o primeiro título a chegar é Todos os cachorros são azuis, um romance, dividido em quatro partes, que conta a história do protagonista desde sua internação em um hospício até a sua saída e a fundação de uma nova religião. Rodrigo de Souza Leão apresenta, através do ponto de vista do paciente, uma visão da sociedade, da família, da política e do tratamento dado aos internos dos hospícios.

Quarta-feira, 14 de agosto

Nova edição para As flores do mal, clássico da poesia moderna.

Grafado pelo autor originalmente com letra maiúscula, o “Mal” de Baudelaire é um conceito, uma percepção que perpassa a sua obra e expõe o caráter humano. Livro inovador, que nas palavras de Marcel Raymond e Paul Valéry funda uma espécie de “movimento poético contemporâneo”, As flores do mal foi responsável por uma escandalosa transformação da literatura mundial ao misturar estilos elevados e populares, influenciando escritores como André Gide, Marcel Proust, James Joyce, Thomas Mann, entre outros. A primeira edição, publicada em 1857, quando Baudelaire tinha 36 anos, logo se torna objeto de um processo judicial que culmina na proibição de seis poemas. A segunda edição, de 1861, suprime os poemas censurados e inclui outros 35. O poeta ― também tradutor de Edgar Allan Poe e crítico de arte ― foi alvo de discórdia também nos círculos literários. Conhecido por encarar a vida com uma paixão enfastiada, Baudelaire transformou o universo a sua volta em uma poesia forte, visceral e por vezes perniciosa. Este volume bilíngue reúne toda a poesia de Baudelaire: As flores do mal tal como publicado em 1861 e os poemas acrescidos à edição póstuma de 1868, em uma edição especial que demonstra toda a potência de um autor ainda hoje “maldito”. A tradução de Júlio Castañon Guimarães sai pela Penguin / Companhia das Letras.

Reedição de uma das obras mais importantes da literatura de Sérgio Sant'Anna.

Publicado pela primeira vez em 1986, Amazona foi recebido com espanto pelo público. Este retrato transgressor sobre a libertação da mulher não só destoava da produção literária da época, mas acertava em cheio as questões políticas do país, que dava os primeiros passos em direção à transição democrática. O mito grego das mulheres guerreiras é a metáfora que conduz o livro, que narra a ascensão da bela Dionísia, uma típica esposa da classe média carioca, ao poder ― primeiro como modelo de revista erótica e depois como uma proeminente figura política do Brasil dos anos 1980. Fazendo uso dos melhores artifícios da ficção, Sérgio Sant’Anna põe lado a lado o mais fino das ironias e digressões machadianas e os elementos vitais dos romances de folhetim ― sexo, drogas, chantagens e intrigas políticas ― e cria uma obra que permanece única mesmo depois de três décadas de seu lançamento.

O terceiro livro na reedição da obra completa de João Guimarães Rosa pela Global Editora: Primeiras estórias.

Nele, o escritor mineiro constrói narrativas curtas que tratam de matérias diversas da experiência humana, como a busca da felicidade, a necessidade do autoconhecimento e as maneiras de se conviver com a inevitável finitude da vida. O título deriva diretamente do propósito de Rosa retomar a atmosfera das narrativas ancestrais, o que dá sentido à escolha pelo termo “primeiras”, pois deixa-se vincar abertamente pelos “causos” que remetem aos primeiros tempos da humanidade. Já o emprego da palavra “estória” - em contraponto à “história” - provém da língua inglesa, pavimentando, assim, o pendor do autor pelo campo da imaginação. Composto por 21 contos, “As margens da alegria”, “Sorôco, sua mãe, sua filha”, “Famigerado” e “A terceira margem do rio” são alguns dos feitos sublimes desse escritor, que levou a artesania da palavra a patamares jamais experimentados na literatura de língua portuguesa. A capacidade de encantar desse livro está, dentre outros atributos, nas estórias tecidas com maestria e que se desenrolam em um território situado à margem da civilização moderna, compondo enredos que mesclam o real e a ficção, e que deixam largo espaço para os leitores darem asas à fantasia e, paradoxalmente, refletirem sobre seus destinos. Esta edição traz um texto de Luiz Costa Lima, um dos principais teóricos da literatura do país, intitulado “O mundo em perspectiva: Guimarães Rosa”. 

Quinta-feira, 15 de agosto

Edição de luxo de uma das histórias clássicas do Sítio do Picapau Amarelo.

Dona Benta, Narizinho, Pedrinho, Emília e o Visconde de Sabugosa viajam no tempo e visitam a Grécia antiga para salvar Tia Nastácia do terrível Minotauro. Publicado pela primeira vez em 1939, O Minotauro é uma grande aventura em uma viagem no tempo empreendida pela turma do Sítio do Picapau Amarelo. Dona Benta, Narizinho, Pedrinho, Emília e o Visconde de Sabugosa visitam a Grécia antiga com uma missão: resgatar Tia Nastácia do terrível Minotauro ― que a sequestrou porque já não consegue viver sem os bolinhos da melhor cozinheira de todos os tempos… Andando entre os filósofos e os artistas mais conhecidos (e até hoje estudados) da Antiguidade, os picapaus aprendem e discutem assuntos como o conceito de arte e seus diversos movimentos, filosofia, literatura e arquitetura ― tudo isso em meio a uma aventura que só os personagens mais clássicos da literatura infantojuvenil brasileira sabem viver. Ilustrado por Lole, o livro integra a obra de Monteiro Lobato que começou a ser publicada pela Companhia das Letrinhas.

Água doce, do nigeriano Akwaeke Emezié o próximo título da Editora Kapulana.

Este é um livro como nenhum outro. Com uma linguagem crua e, ao mesmo tempo, sensível, a obra celebra a possibilidade do ser múltiplo, os muitos “eus” que podem existir dentro de qualquer um. Ada sempre foi estranha. Quando criança, vivendo no sul da Nigéria, a família se preocupa com ela. Seguindo a tradição, os pais rezaram para consolidar a existência da criança ainda no ventre, mas algo deu errado: talvez os deuses tenham esquecido de fechar a porta, pois Ada nasceu com “um pé do outro lado”, e começa a desenvolver diferentes personalidades. Quando ela vai para os Estados Unidos para a universidade, um evento traumático acaba sendo o catalizador que transforma esses muitos “eus” em algo mais forte. Ada vai desaparecendo e dando lugar a esses outros seres – às vezes, protetores, às vezes, algozes. Com isso, sua vida vai saindo de controle e se move em uma direção perigosa.

Sexta-feira, 16 de agosto

Encontrado na Suíça um conjunto de rascunhos para O pequeno príncipe realizados por Saint-Exupéry.

Os desenhos estavam guardados nos papéis do magnata colecionador Bruno Stefanni que os adquiriu há mais de trinta anos no leilão em Bevaix. O arquivo é formado por três rascunhos – do bêbado em seu planeta, a icônica imagem da cobra que digere um elefante acompanhada de notas manuscritas e a personagem principal do livro com a raposa. Junto aos desenhos também foi encontrado um poema com uma pequena ilustração e uma carta de Saint-Exupéry para sua companheira, Consuelo. As ilustrações originais estão guardadas na Morgan Library em Nova York.

DICAS DE LEITURA

1. O Aleph, de Jorge Luis Borges. Agora em 2019, a obra considerada pela crítica um dos pontos culminantes da ficção do escritor argentino, chega aos 70 anos da sua primeira edição. Por aqui, é possível encontrar a tradução de Davi Arrigucci Jr publicada pela Companhia das Letras – parte do amplo projeto dessa casa editorial em trazer toda literatura de Borges ao Brasil. Em sua maioria, “as peças deste livro correspondem ao gênero fantástico”, esclarece o autor no epílogo da obra. Nelas, ele exerce seu modo característico de manipular a “realidade”: as coisas da vida real deslizam para contextos incomuns e ganham significados extraordinários, ao mesmo tempo em que fenômenos bizarros se introduzem em cenários prosaicos. Os motivos borgeanos recorrentes do tempo, do infinito, da imortalidade e da perplexidade metafísica jamais se perdem na pura abstração; ao contrário, ganham carnadura concreta nas tramas, nas imagens, na sintaxe, que também são capazes de resgatar uma profunda sondagem do processo histórico argentino. O livro se abre com “O imortal”, onde temos a típica descoberta de um manuscrito que relatará as agruras da imortalidade. E se fecha com “O Aleph”, para o qual Borges deu a seguinte “explicação” em 1970: “O que a eternidade é para o tempo, o aleph é para o espaço”. Como o narrador e o leitor vão descobrir, descrever essa ideia em termos convencionais é uma tarefa desafiadoramente impossível.

2. A fúria, de Silvina Ocampo. Finalmente vemos chegar ao Brasil um livro de Silvina Ocampo, que está entre os escritores mais surpreendentes e intensos do continente. Publicado em 1959, este é considerado “o mais ocampiano” dos livros de Silvina, obra em que a autora encontra sua voz única e inaugura seu universo alucinado. “Nos seus contos há algo que não consigo compreender: um estranho amor por certa crueldade inocente e oblíqua”, escreveu o amigo Jorge Luis Borges. Saídas do que Roberto Bolaño chamou de “uma limpa cozinha literária”, suas histórias misturam elegância e excesso, distanciamento e intensidade, calma e horror. Há a influência macabra que a antiga dona de uma casa exerce na nova inquilina (“A casa de açúcar”, o conto favorito de Julio Cortázar); adivinhos e premonições (“A sibila” e “Magush”); amores loucos (“A paciente e o médico”); a festa de aniversário de uma jovem paralítica (“As fotografias”); e uma profusão de crianças malignas, como a que incendeia cruelmente uma amiga no conto que dá título ao livro. Revalorizada com entusiasmo nos últimos anos, a literatura de Silvina Ocampo é singular, complexa, envolvente e nos convida, como poucas, à fantasia e à imaginação.

3. Obra completa, de Murilo Rubião. O escritor mineiro se aventurou no universo do fantástico antes que ficasse em voga entre os escritores latino-americanos. Além de precursor — seus contos foram escritos, em sua maioria, entre os anos 1940 e 1960 —, Rubião é mestre em fazer o absurdo penetrar na realidade cotidiana, subvertendo-a e lançando novos olhares sobre temas consagrados da literatura, como o desejo, a morte, o amor e a falta de sentido do mundo moderno. No ano seu centenário, em 2016, a Companhia das Letras preparou um volume com todos os 33 contos que o autor mineiro lapidou à exaustão. Nessa edição, o leitor encontra ainda um delicioso artigo de época do crítico Jorge Schwartz e um alentado ensaio inédito do jovem escritor Carlos de Brito e Mello.

BAÚ DE LETRAS

1. Os leitores que acompanharem com assiduidade o blog aqui e nas várias páginas nas redes sociais sabem já que em junho uma série de postagens no Facebook foram apagadas com a acusação perversa de Spam. Desde o início do mês iniciamos a republicação do material censurado seguido da tag #CensuradosDoFace. Uma das posts censuradas foi esta no dia 7 de junho de 2019. Com a tag #BaúDeLetras, a ideia original para esta seção no Boletim Letras 360º, recordamos uma lista das que mais gostamos de fazer: poetas que desafiaram o panteão dos poetas.

2. Em 2018, o blog apresentou a tradução para esse texto que oferece alguns elementos para a composição do perfil de Silvina Ocampo, a escritora argentina cuja obra é publicada pela primeira vez no Brasil, como sublinhamos na seção anterior. “Silvina Ocampo: o et cetera da família”.


.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblr, Instagram e Flipboard



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath