Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

A vida e a arte de Sylvia Plath


Por Fernanda Fatureto




A biografia de Sylvia Plath, Ísis americana: a vida e a arte de Sylvia Plath (Bertrand Brasil, 2015), de Carl Rollyson, compreende toda a vida da poeta americana e é das mais completas já publicadas sobre uma das mais lendárias figuras modernas do século XX. Porque exerceu diversos papéis-chave como mulher na sociedade americana e inglesa das décadas de 1950 e 1960. Sylvia não era apenas um rosto bonito, uma blond girl, femme fatale capaz de seduzir homens com quem manteve correspondência amorosa até conhecer o poeta Ted Hughes. Durante o período de formação na Smith College, nos Estados Unidos, foi aluna destaque em literatura e eleita editora da Smith Review. Nos anos de 1950 foi convidada para ser editora na revista de moda  Mademoiselle e passou uma temporada em Nova York lhe rendendo histórias, muitas delas deram composição ao livro A redoma de vidro, seu único romance publicado.

O professor de jornalismo da Baruch College, em Nova York, também autor de biografias sobre Marilyn Monroe e Susan Sontag, recorreu a diários pessoais, cartas, outras biografias já realizadas e entrevistou centenas de pessoas ligadas ao universo Plath, de ex-colegas da Smith a fontes mais próximas para narrar em oito capítulos os principais acontecimentos que fizeram a poeta ser quem foi. Com títulos sugestivos como “Filha Primordial dos Tempos”; “Senhora de Todos os Elementos”; “Rainha dos Mortos”; “Eu Sou a Natureza”; “Rainha do Mar”; “A Mãe Universal”; “Rainha Também dos Imortais” e “No Templo de Ísis: Entre os Hierofantes”, Carl Rollyson se utiliza de conceitos mitológicos para explicar o universo Plath fazendo uma referência aos egípcios. Ísis era uma deusa egípcia, a Rainha dos Mortos, que juntou os pedaços de Osíris após sua morte. Com uma narrativa fluida e embasada principalmente na correspondência de Sylvia com sua mãe, Aurélia Plath, não usa do artifício da morte trágica para alavancar o livro. A vida da autora é analisada em 385 páginas de maneira igualitária em todos os períodos.

Para Rollyson, Plath conseguiu arrastar uma legião de fãs de tal forma que toda a mitologia de sua vida gira em torno de sua morte. Mas certamente a força de seus versos foi a responsável por consagrá-la. Em Ariel, seu último livro, toda a interioridade conflitiva da poeta ressoa e preconiza seu talento literário: “Deixei coisas escaparem, navio de carga com trinta anos / Teimosamente se prendendo a meu nome e endereço. / Eles me lavaram de minhas associações amorosas./Assustada e nua sobre a cama de rodas com travesseiros de plástico verde, / Assisti meu aparelho de chá, minhas roupas de linho, meus livros/Submergirem e sumirem, e a água cobrir minha cabeça. / Sou freira agora, nunca fui tão pura.”.

O biógrafo afirma que uma sensação de desilusão e vazio acompanharam Sylvia desde a adolescência e a poesia era a forma com que ela  recuperava a vontade de permanecer conectada ao mundo.



A primeira tentativa de suicídio ocorreu em 1953 após o período em Nova York. A pressão por responsabilidades e a carga de trabalho na revista lhe rendeu um colapso nervoso. Plath se deprimiu e tentou se matar. Tinha 21 anos. A biografia tenta ser justa quanto ao problema psicológico da poeta e evita achar inocentes ou culpados em relação à sua saúde. Também não vilaniza Ted Hughes, marido da escritora. No início da narrativa, Rollyson cita a ação de fãs em que muitos riscaram o sobrenome de Hughes do túmulo, deixando a inscrição apenas com o nome de solteira da poeta na tentativa de responsabilizá-lo pela morte da autora. Em Ísis americana o retrato do poeta inglês é de um mulherengo com gênio forte, mas escritor brilhante que gostava muito de Sylvia e mostra a tentativa do casal de se acertar numa época em que mulheres não se sobressaíam profissionalmente. Sylvia e Ted tinham a mesma profissão, ambos poetas publicados, o que tencionava a convivência de ambos.

Em "Lady Lazarus", um dos poemas mais vibrantes de Plath, vê-se quão dramática e intensa foram suas escolhas: “Tentei outra vez. / Um ano em cada dez / Eu dou um jeito –”. Em outra parte do poema vemos: “Disparo o pano / Oh, meu inimigo. / Eu te aterrorizo? / (…) Tenho apenas trinta anos. / E como gato, nove vidas para morrer. / Esta é a Número Três. / Que besteira / Aniquilar-me a cada década.”  O universo de Sylvia Plath era melancólico. Ela conheceu o poeta Ted Hughes, com que viria a se casar, na Inglaterra, quando ganhou uma bolsa de estudos da Fullbright, em Cambridge, para cursar mestrado. Logo o casal se tornaria reconhecido em revistas literárias e pelos livros publicados.

A dedicação de Plath ao trabalho literário a levou às últimas consequências, assim como a relação conflitante com o marido com quem teve dois filhos. O biógrafo afirma que para a poeta “era melhor a ansiedade do artista do que a neurose do conformista”. Em 1962, o casal se separa quando a autora descobre a infidelidade de Hughes. Em onze de fevereiro de 1962, Sylvia Plath comete suicídio ao ligar o gás da cozinha e colocar a cabeça dentro do forno. Morreu por asfixia aos 30 anos. Segundo o biógrafo, “as pressões sobre uma mulher que se vê de forma tão megalomaníaca são enormes, e compreender tais pressões e as reações de Plath a elas provê uma perspectiva inédita e incrível que torna a obra, o casamento e o suicídio da autora finalmente compreensíveis em termos do modo como vivemos hoje”.

A tragédia da vida de Sylvia Plath se assemelha a das heroínas das ficções em um mundo onde as convenções impõem um martírio às mulheres que estão à frente de seu tempo. Nas palavras de Carl Rollyson: “Conseguir a história, conseguir o homem, num mundo em que tanto o indivíduo quanto a pátria estavam à beira da destruição, viria a permanecer crucial para a ideia que Sylvia nutria sobre ordem mundial.” Mas as pressões sobre a jovem mulher a fizeram relegar sua vida e sua arte à posteridade, como nos versos de Lady Lazarus: “E há um preço, um preço muito alto/Para cada palavra ou cada toque/Ou mancha de sangue”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa