Boletim Letras 360º #352


Outra semana para a conta da nossa história. E as histórias que fizeram a semana em nossa página no Facebook estão disponíveis abaixo com as seções de costume desde certa altura das publicações do Boletim Letras 360º: as dicas de leitura, de materiais extra-blog e ligados aos nossos conteúdos e a revisitação no universo de quase quatro mil entradas nesses já 13 anos online. Boas leituras e obrigado pela sua fundamental companhia. 

Foto: Pavel Vacha, 1968. Milan Kundera tem sua cidadania tcheca recuperada. 

Segunda-feira, 2 de dezembro

Editora portuguesa publicará fotobiografia de Jorge de Sena.

O anúncio vem no final do ano do centenário do nascimento do poeta português. Segundo a editora Guerra e Paz, responsável também pela publicação das cartas entre Jorge e e Sophia de Mello Breyner Andresen, a edição é organizada pela pela filha mais velha do escritor, Isabel de Sena. Com este livro se publicará um outro: com a correspondência entre Jorge e o capitão João Sarmento Pimentel, uma das principais figuras do círculo de anti-salazaristas portugueses exilados no Brasil. Professora de espanhol e de literatura hispano-americana em Nova Iorque, Isabel de Sena contou em ambos os projetos com a colaboração do arquiteto e historiador de arte brasileiro Rui Moreira Leite, a quem se deve a organização de várias correspondências entre intelectuais portugueses e brasileiros, incluindo a que o seu pai, o psicólogo social e escritor Dante Moreira Leite, trocou com Jorge de Sena.

Stefan Zweig e a releitura sobre o nome da América.

Por que a América se chama América? Por que homenagear Américo Vespúcio se não foi ele o primeiro a pisar em solo do Novo Mundo e se tampouco era considerado o grande navegador da época? Para o austríaco Stefan Zweig, várias coincidências levaram a esse nome. Algumas delas absurdas, outras com certa procedência ― tais como uma raríssima obra de apenas 32 páginas intitulada Lettera al Soderini, assinada por Vespúcio, que fazia referência às terras recém-descobertas. O pequeno livreto serviu de guia aos pesquisadores daquele período, de diversas partes do mundo. O tempo se encarregaria do resto. Passou a ser “A carta de Américo Vespúcio”, depois “A carta de Américo”, “O continente de Américo”, e daí para “América” foi mera decorrência. Outros autores não tiveram a mesma condescendência de Zweig. Alguns carregam nas tintas e não se inibem ao chamar Vespúcio de verdadeiro impostor. A verdade é que, ao contrário de outros navegadores, Américo Vespúcio (1454-1512) vinha de uma família que tinha acesso à corte de Florença, na Itália. Era um homem letrado, com conhecimentos de geografia, astronomia e cosmografia. Obteve boa educação, vivendo na França e na Espanha. Em resumo, era uma figura controversa. As polêmicas em torno de seu nome sempre se confundem em datas e localizações, chegando a ultrapassar os mares. Aportam até nós quando de sua passagem pela costa do Brasil, de São Paulo e da região conhecida como São Sebastião, assim denominada pelo navegador florentino Américo Vespúcio.

Terça-feira, 3 de dezembro

Milan Kundera recupera a nacionalidade tcheca.

Foi em 1979 que o autor de A insustentável leveza do ser teve sua nacionalidade retirada pelas autoridades comunistas. No ano quando se passam quatro décadas do acontecimento, o embaixador da República Tcheca na França, Petr Drulak, concedeu ao escritor a certidão que restaura sua nacionalidade. O gesto se passou no último dia 28 de novembro num encontro da embaixada com Kundera em seu apartamento de Paris, cidade onde vive desde 1975, quando se exilou em França; em 1981, Kundera obteve a nacionalidade francesa e desde 1994 adotou o francês como língua literária. Aos 90 anos, o escritor tem se tornado figura quase invisível, as aparições públicas são poucos e há muito não tem concedido mais entrevistas.

Quarta-feira, 4 de dezembro

Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, é editado em Portugal, pela primeira vez.

O romance considerado o mais importante das literaturas de língua portuguesa na modernidade foi publicado pela primeira vez em 1956. Mas, até o presente as edições que circularam em Portugal eram as brasileiras: primeiro a da José Olympio e, depois, a da Nova Fronteira. A ida da obra para o catálogo da Companhia das Letras e a coincidência da editora brasileira dispor de uma filial em terras lusas modificou a história e Grande sertão: veredas tem agora edição exclusiva na terra de Camões. A princípio, a casa havia anunciado, conforme foi replicado nessa página, que projeto editorial da edição em Portugal seguiria o mesmo da publicada recentemente no Brasil, mas o resultado foi outro. O lançamento, em Lisboa contou com a presença de Silviano Santiago. Em 2014, a editora portuguesa A Bela e o Monstro havia realizado uma edição fac-similar da edição de 1956.

Ao que parece a crise na Academia Sueca ainda não está contornada. A uma semana da entrega dos prêmios Nobel de Literatura, dois de seus membros pediram demissão.

Gun-Britt Sundström e Kristoffer Leandoer, que há dois anos tinham sido nomeados membros não executivos do Comitê Nobel. O primeiro justificou sua saída coma a atribuição do prêmio de 2019 ao escritor austríaco Peter Handke; o segundo pela demora da instituição em se renovar após os escândalos de 2017. Gun-Britt Sundström​ justificou a sua demissão num artigo publicado no jornal Dagens Nyheter. A escolha do laureado de 2019 “não se limitou a recompensar uma obra literária; foi também interpretada, tanto dentro como fora da Academia, como uma tomada de posição que coloca a literatura acima da política”, escreveu a crítica literária, explicando não ser essa a sua “ideologia”. A atribuição do Nobel a Peter Handke motivou uma polêmica generalizada, devido às posições políticas do autor que foi acusado de negar o genocídio dos bósnios na guerra na ex-Jugoslávia nos anos 1990, além de ter defendido o líder sérvio Slobodan Milosevic, que viria a morrer na prisão quando estava a ser julgado pelo Tribunal Penal de Haia, precisamente acusado de genocídio. Handke participou e discursou no seu funeral. No caso de Kristoffer Leandoer, quem também justificou a sua demissão na imprensa, com um artigo publicado no diário Svenska Dagbladet seu abandono não tem nada a ver com essa polêmica: “Abandono o meu lugar no Comitê do Nobel porque não tenho nem paciência nem tempo para esperar as mudanças resultantes do trabalho iniciado”, escreveu o escritor e tradutor sueco. A entrega dos prêmios de 2018 e 2019 ocorrem no próximo dia 10 de dezembro.

Quinta-feira, 5 de dezembro

Divulgado o resultado do Oceanos 2019.

Três romances de três escritoras vencem o Oceanos 2019. Em primeiro lugar, foi eleito o romance Luanda, Lisboa, Paraíso (Companhia das Letras Portugal e Brasil), da escritora portuguesa nascida em Angola Djaimilia Pereira de Almeida. O romance Eliete (Tinta-da-China Portugal), da portuguesa Dulce Maria Cardoso, venceu em segundo lugar e, em terceiro, o romance Sorte (Moinhos), da brasileira Nara Vidal.

Sexta-feira, 6 de dezembro

Para assinalar os cinquenta anos de carreira literária de Ana Maria Machado, editora reedita A audácia dessa mulher

Bia conhece Virgílio numa reunião inusitada. Ambos foram convidados para conversar com Muniz, um autor de telenovelas que prepara seu próximo projeto: uma minissérie ambientada no século XIX. Ela é jornalista especializada em turismo; ele, um arquiteto e dono de restaurante. Muniz acredita que suas habilidades podem ajudá-lo a criar o cenário perfeito para a minissérie histórica Ousadia, mas eles não sabem ao certo como poderiam colaborar. O encontro, porém, rende desdobramentos inesperados. Bia e Virgílio se envolvem, parecem se entender muito bem, mas aos poucos a relação deles começa a ser contaminada pelo ciúme. Enquanto acompanhamos suas crises e dúvidas, Ana Maria Machado traça outras narrativas: o desenvolvimento de Ousadia e a descoberta de um diário de uma jovem do século XIX, que promete revelar verdades inesperadas sobre um caso de ciúmes e separação pelo qual ela passou. Ao conduzir essas e outras histórias que se ramificam e se entrelaçam, Ana Maria Machado compõe um livro instigante, que discute o próprio ofício do escritor. Descrito como um dos romances mais surpreendentes da literatura brasileira, com este livro a autora ganhou o prêmio Machado de Assis em 1999. A nova edição traz textos críticos de Adriana Lisboa e Beatriz Resende.

Estação Liberdade anuncia a publicação de dois livros de ensaio do escritor Prêmio Nobel de Literatura Peter Handke 

1. Ensaio sobre o louco por cogumelos. Publicado em 2013, este é o fecho da série de experimentos autoficcionais de Handke, os chamados Ensaios. As obras exploram uma nova forma literária, unindo narrativa pessoal, ficção e contemplação ensaística. Handke coloca em cena seu protagonista-escritor, que rememora a história de um amigo de infância e sua obsessão por caçar fungos, fascínio definidor em sua vida. As incursões do obcecado em busca de cogumelos são também os movimentos feitos pelo autor em direção à escrita e à apreensão de algo essencial na experiência no mundo. O embate entre o autor e seus alter egos – o escritor, que pensa o ensaio, e o outro, o louco por cogumelos, advogado de criminosos de guerra, que o inspira – permite a Handke reger um diálogo interno, em que ele mesmo se interroga, se acusa e se defende sob os olhos do leitor. Com seu anti-herói bufão, que eventualmente põe na corda seu emprego e sua família em nome de sua mania irrefreável, Handke emula a busca do escritor pelo senso de encantamento do cotidiano. A trilha do autor, de sua escrivaninha às margens da vida urbana contemporânea, é o que compõe a própria história. A tradução é de Augusto Rodrigues.

2. Ensaio sobre a jukebox. Neste livro o escritor publicado pela primeira vez em 1990, Handke foge de qualquer cronologia linear e de processos de narrativa convencionais. Fazendo uso de sucessivas sobreposições, o autor compõe uma metafísica da escrita que deságua na leitura de uma realidade que se torna irreal de tão premeditadamente elaborada. A busca quixotesca do protagonista pela jukebox o leva a vários lugares e períodos, suscitando referências artísticas, literárias e cinematográficas diversas, bem como meditações sobre a história e o cotidiano. A cada vez, esses movimentos representam a impossibilidade de abraçar a realidade e de fazer coincidir a vida interna com a experiência do mundo. Toda a composição da jukebox enquanto falsa protagonista serve como biombo para destrinchar a poética handkeana do cotidiano. O autor rege a ópera mapeando estes movimentos a partir de sua escrivaninha (tendo como ferramentas apenas papel e lápis) no quarto de hotel em Soria, pequena cidade no interior da Castela espanhola. O embate entre a jukebox e a escrivaninha acaba sendo o real enredo deste ensaio em que Handke abre a caixa de Pandora de sua escrita. A tradução é de Luis S. Krausz.


DICAS DE LEITURA

1. Gaibéus, de Alves Redol. Exatamente em dezembro desse ano, cumprem-se sete décadas da aparição desse romance, que, curiosamente, nunca recebeu edição brasileira. A falta pode ter suas justificativas, mas não tem razões: o livro integrava a literatura portuguesa, em definitivo, num modelo, por assim dizer, de criação cujo ápice no Brasil se deu justamente por essa mesma época – aqui, o romance de 1930, lá, o Neo-Realismo. O que no romance agora recomendado se mostra é a vida dos camponeses do norte do Ribatejo que vão trabalhar como ceifeiros do arroz nas lezírias. É a vida de fadigas, de exploração do latifúndio, de perseverança pelo trabalho que mal lhe paga o que beber e comer. Entre os dramas da labuta, a imaginação, o sonho acordado da gente pobre, o refrigério para a crueza da vida. Assim, apesar de vincadamente ligado a um contexto específico, a narrativa de Alves Redol é uma parábola universal, visto que, o exercício da opressão e da exploração do homem pelo homem é parte fundante das relações de trabalho em toda parte.

2. Poesia, de Bertolt Brecht. A obra do criador alemão tem boa presença no Brasil. Seu teatro encontra-se totalmente traduzido por aqui, uma antologia de poesia reunia até então a maioria de seu trabalho com este gênero e várias outras narrativas, incluindo textos para crianças, têm sido apresentadas nos últimos anos. Agora, a editora Perspectiva assume o protagonismo de ampliar essa presença com uma antologia organizada e traduzida por André Vallias que se apresenta como uma coleção muito representativa da poesia de Brecht, que incorpora dados biográficos, fragmentos de diários e anotações, vários dos quais documentos inéditos entre nós, inter-relacionados com o texto poético e mediados por fotos e imagens em articulada montagem conceitual. A poesia-crítica de Brecht, sem propriamente situar-se no âmago das poéticas pautadas pelo experimentalismo, tem, no entanto, alto nível de escrita e singularidade. Não só merece como precisa ser reconsiderada, porque volta a ser necessário ouvir as vozes contestatárias que realimentem o anseio de liberdade e de lucidez do ser humano, e os poemas de Brecht não afagam nem perdoam a injustiça, a hipocrisia e a indiferença.

3. Dora sem véu, de Ronaldo Correia de Brito. Uma mulher de meia-idade, casada e sem filhos decide ir a uma romaria em Juazeiro do Norte, Ceará, na procura pela avó que nunca conheceu e que sequer sabe que está viva. A viagem acompanhada pelo marido com um passado obscuro que tenta renegar começa na caçamba de um caminhão sob o calor e a sede e se amplia por uma cidade de romeiros marcada pela violência e a impunidade. Descrito como um livro múltiplo e marcante de traços dostoiévskianos sobre o amor e culpa, Dora sem véu foi publicado pela Alfaguara.

VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS

No último dia 4 de dezembro passaram-se três anos da morte de Ferreira Gullar. Recordamos o poeta nessa série de três vídeos publicada na nossa galeria no Facebook; aí, o leitor encontrará outras aparições visuais do / sobre o poeta.  

1. Ferreira Gullar em conversa com Vinicius de Moraes. Veja aqui fragmento do documentário Vinicius de Moraes, um rapaz de família, de Susana Moraes (1976). 

2. Quando a Companhia das Letras passou a reeditar a obra de Ferreira Gullar, dentre as promoções estava a leitura dessa passagem de “Poema sujo” dedicada a ser letra para Brachiana n.2, de Villa-Lobos. 


BAÚ DE LETRAS

1. Como noticiado, o Prêmio Oceanos 2019 foi para Djaimilia Pereira de Almeida. Este é a terceira eleição vencida pela escritora. Mas, entre as premiações, Eliete, a primeira parte de um romance escrito por Dulce Maria Cardoso ficou em segundo lugar. O livro foi comentado no Letras in.verso e re.verso no início deste ano

2. Quem quiser saber algo mais sobre a biografia e a obra de Alves Redol, o autor de Gaibéus, romance recomendado na seção acima, pode recordar esta post no blog

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblr, Instagram e Flipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A tradição da peste na literatura. Treze obras literárias

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Quinze mulheres da literatura brasileira

Boletim Letras 360º #366

As palavras interditas, de Eugénio de Andrade

Joker